Descubra o que é DIY e aquelas ferramentas para oficina caseira que não podem faltar na sua casa, além de dicas para começar agora mesmo.

Você já deve ter ouvido falar de Do It Yourself ou visto a sigla DIY por aí, certo? A técnica, que está se tornando cada vez mais popular ao redor do mundo, tem um outro nome bem mais simples e autoexplicativo em bom português: “faça você mesmo”.

Ela consiste em colocar a mão na massa para criar projetos de maneira autoral e sem a ajuda de profissionais, com destaque para a área de decoração e montagem de móveis. Quem sabe aprender a fazer uma poltrona suspensa, por exemplo?

O jeito “faça você mesmo” de trabalhar traz diversos benefícios ao seu dia a dia, como: exercitar a criatividade, aprender novas habilidades e, claro, a possibilidade de criar móveis exclusivos e estilizados inteiramente por você. Além disso, ainda é possível garantir uma boa economia com o uso de materiais que já se tem em casa. 

Para cada projeto de DIY, as ferramentas necessárias variam, mas algumas delas são utilizadas em quase todos eles e são itens indispensáveis para a sua oficina caseira.

Veja as 8 ferramentas e produtos que não podem faltar na sua casa. Vamos começar com itens básicos, mas que fazem toda a diferença em projetos Do It Yourself — DIY.

1. Trena, fita métrica ou esquadro

Imagine que você está montando uma estante e, após fazer todos os furos e instalar os suportes, descobre que eles foram aplicados em ângulos tortos ou distâncias bem diferentes do planejado. Aí está a importância de ter ao menos um desses itens:

  • trena;
  • fita métrica;
  • régua.

Com eles, você pode – e deve – cuidadosamente sinalizar onde serão feitos os furos e cortes. Outra ferramenta que facilita o trabalho Do It Yourself – DIY é o esquadro. O item é encontrado em dois tipos mais comuns:

  • Carpinteiro: geralmente é feito de metal e possui dois vértices, é um dos modelos mais procurados por sua versatilidade;
  • Universal: possui várias opções de medição, sendo possível utilizar a parte interna e externa do triângulo. 

 2. Lixas

Utilizadas para fazer o acabamento dos materiais, com destaque para as madeiras. O motivo é simples: tornar as peças finais mais bonitas, confortáveis – retirando as farpas de cadeiras e mesas, por exemplo – e, além disso, dão o toque final para o seu incrível projeto de trabalho manual.

Comece com uma lixa mais grossa e depois alterne para lixas mais finas. E lembre-se: Sempre lixe no sentido do veio da madeira, para não riscá-la.

 3. Furadeira e brocas

Como você bem deve saber, as furadeiras são usadas para perfurar as superfícies que serão utilizadas. Nelas, devem ser colocadas brocas desenvolvidas especificamente para cada tipo de material: paredes de concreto e tábuas de madeira, entre outros. Ao utilizar a broca incorreta, você pode danificar a furadeira, a peça ou a própria broca.

Outra dica importantíssima para quem deseja economizar tempo nas obras Do It Yourself – DIY: use uma parafusadeira. Semelhante à furadeira, possui menor potência e substitui as chaves manuais para fixar parafusos com uma velocidade muito maior e menor esforço.  A ferramenta é simples e pode ser manuseada por qualquer pessoa, sem a necessidade de um profissional especializado.

Para utilização da parafusadeira, é importante ter as ponteiras com fenda simples e com fenda phillips.

4. Chaves de fenda e Chaves Phillips

Ter um kit de chaves é fundamental para uma oficina doméstica, mas as duas citadas são imprescindíveis para qualquer caixa de ferramentas. A maioria dos projetos DIY é feito com parafusos de fenda simples e de fenda phillips, para isso, você deve utilizar as chaves de fenda e Phillips, consequentemente.

Também há outras ferramentas comumente utilizadas: chave de boca (parafusos sextavados), alicates e chaves Allen (parafusos sextavados internos). Para utilização com a parafusadeira, é importante ter as ponteiras com fenda simples e com fenda phillips.

 5. Parafusos Fixer

Existem diversos tipos de parafusos específicos para uso em madeiras, com diferentes cabeças, fendas e comprimentos (parafuso madeira, parafuso Cama), mas o mais comum para projetos DIY é o chamado ”parafuso Fixer” (Chipboard).

Sua ponta é aguda e perfura o material com mais facilidade, e sua rosca autocortante tipo chipboard dispensa pré-furos quando aplicado em madeiras mais leves de baixa densidade. É encontrado no mercado com facilidade nas variações de cabeça panela, flangeada e chata, para cada necessidade do seu trabalho manual.

Conheça também: os principais tipos de parafusos

Parafuso Fixer, da Ciser, que fura e forma a rosca em uma única operação.

6. Buchas   

Indispensáveis para a aplicação de parafusos em superfícies maciças ou ocas, como na instalação de quadros, as buchas permitem a fixação da peça em paredes de alvenaria ou gesso acartonado. Além disso, são encontradas em diversos modelos e tipos de material. Entre elas:

  • Bucha de expansão (S): é o modelo mais tradicional e facilmente encontrado. possui “ganchos” que se encaixam a paredes de alvenaria, tijolos, concreto ou placas de gesso e garantem sua fixação;
  • Bucha Extreme: o design inovador permite a expansão de suas quatro vias de expansão tanto em substratos ocos quanto maciços – produto ainda vem com alhetas dinâmicas, que garantem perfeita expansão conforme substrato
  • Bucha FU: possui uma ampla aplicação, e sua forma de atuação varia de acordo com o material de construção. Em tijolos ou paredes ocas, a bucha retrai com o roscado do parafuso e garante fixação máxima; já em paredes maciças, a bucha se expande ao colocar ao parafuso;

 7. Porcas e arruelas

Dois itens fundamentais para unir peças, junto aos parafusos, hastes e demais fixadores. As porcas travam os parafusos, enquanto as arruelas distribuem as forças de aperto para mantê-los fixos.

Para uso em projetos Do It Yourself – DIY, ferramentas que facilitam o trabalho são as mais indicadas. Por isso, o destaque vai para a porca-borboleta, também conhecida como  porca de orelhas, que possui saliências que facilitam os apertos manuais.

Veja mais:Porcas e arruelas: quais os principais tipos de aplicação?

 8. Martelo

Normalmente encontrado com cabeça de metal, o martelo tem diversos tipos e finalidades. Veja os principais:

  • Martelo de orelha: é o mais comum, usado para fixar pregos às peças e retirá-los com a parte traseira da cabeça, que inspirou o nome devido a seu formato característico;
  • Martelo de pedreiro: também pode ser chamado de picareta ou marreta e, devido a sua pesada cabeça de aço, é indicado para trabalhos como quebrar uma parede;
  • Martelo de borracha: mais incomum, este modelo possui martelo com cabeça de borracha com duas extremidades abauladas, e é utilizado para montar materiais sem danificá-los, como móveis de madeira ou pisos de azulejo.

Com estes produtos e ferramentas, você pode desenvolver vários projetos Do It Yourself – DIY e transformar o seu lar. E o melhor: todas são simples, de fácil acesso. 

Quer uma dica de por onde começar? Faça sua própria mesa suspensa! Nós temos uma categoria no nosso blog com diversos tutoriais e dicas para você adotar essa ideia “faça-você-mesmo”.

Produtos mais vendidos na Ciser