Há várias estratégias que podem otimizar a rotina de trabalho e tornar a sua linha de produção mais eficiente. Conheça as 5 metodologias para reduzir custos na indústria neste artigo.

Reduzir custos diretos e custos indiretos não é uma tarefa fácil, mas é muito importante para o bom desempenho de um negócio. É preciso aumentar a qualidade dos produtos e, ao mesmo tempo, reduzir o tempo e o custo da produção para atrair novos clientes, melhorar o lucro e manter a competitividade.

Ao pensar na contenção de despesas, é importante analisar todos os custos da operação e seu impacto em receita para embasar a tomada de decisão. Na categoria de custo fixo, considera-se aluguel, serviços de segurança, limpeza e outros serviços recorrentes que se mantêm independentemente da capacidade produtiva. Em custos variáveis, por exemplo, considera-se a compra de matéria-prima e suprimentos.

“Tenha cuidado com custos pequenos! Uma pequena fenda afunda grandes barcos” (Benjamin Franklin)

Com uma linha de produção eficiente, uma empresa tem mais produtividade e desperdiça menos tempo e recursos, como matéria prima e energia elétrica. Quer conquistar esses objetivos? Veja, a seguir, 5 metodologias que podem ajudar a reduzir os custos de produção na indústria e toda a sua equipe precisa saber para entender como aplicá-las no dia a dia.

1. Poka-Yoke

O Poka-Yoke, termo japonês que significa “à prova de falhas e erros”, é um método que foi criado no Japão, em 1960, com o objetivo de prevenir riscos de falhas humanas e corrigir possíveis erros em processos industriais.

A ferramenta busca prevenir o surgimento de erros em um processo produtivo por meio da eliminação das causas que geram esses erros. Ou seja, o primeiro passo é detectar a causa do defeito para não permitir que ele siga adiante no processo. Há 4 modalidades do método que são mais utilizadas nos processos de produção:

  • Prevenção;
  • Detecção;
  • Valor fixo;
  • e Etapas.

2. Kanban

imagem mostra varios post its

O Kanban é uma ferramenta criada para aumentar a produtividade a partir do gerenciamento visual do fluxo de trabalho. A ideia é ajudar as pessoas a realizarem as suas tarefas com menos estresse, por meio do uso de cartões que sinalizam as etapas no processo de fabricação. Mas como ele funciona?

Normalmente, nesse caso, há um quadro com três campos: um para tarefas que devem ser feitas, um para tarefas em andamento e outro para as tarefas concluídas. São usados cartões, como post-its, de cores e tamanhos diferentes para as tarefas.

Eles têm informações sobre a tarefa, o nome da pessoa responsável por ela e o prazo final. À medida que o profissional vai desenvolvendo o trabalho, ele pode ir mudando o cartão de lugar no quadro. Para o bom funcionamento do método, é essencial esse acompanhamento e atualização dos cartões.

3. Lean

A metodologia Lean é baseada no uso de apenas o que for necessário para realizar um trabalho ou processo. O Lean, que em português significa “enxuto”, busca reduzir desperdícios e aumentar a produtividade, focando somente nas etapas que vão agregar valor ao produto final.

O objetivo é conseguir gerir recursos de uma forma mais eficaz e otimizada, liberando tempo, energia e espaço sem comprometer a qualidade do produto e sempre considerando a necessidade do cliente.

Com o Lean, a organização deixa de fazer mudanças rápidas e abruptas, que muitas vezes acabam sendo deixadas de lado, para focar em mudanças menores e que podem ser levadas adiantes com mais facilidade.

4. 5s

imagem mostra dois homens caminhando na fabrica

O método 5s, também de origem japonesa (e talvez o mais popular de todos), é mais voltado para a organização e a manutenção de um bom espaço de trabalho. Os 5 “s” vêm das seguintes palavras japonesas:

  • Seiri (utilização);
  • Seiton (arrumação);
  • Seiso (limpeza);
  • Seiketsu (higiene);
  • Shitsuke (disciplina).

A ideia principal é manter o espaço sempre organizado e produtivo, o que demanda bastante disciplina para mudar hábitos e costumes. Apesar de não ter a aplicação tão fácil, a técnica é muito usada em empresas de todo o mundo para melhorar a rotina das equipes e os ambientes profissionais.

5. Kaizen

A premissa básica do método Kaizen é “hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje”. A metodologia, que com o passar do tempo ficou conhecida como “melhoria contínua”, propõe pequenas mudanças no dia a dia para gerar grandes melhorias em um período de tempo maior.

O Kaizen considera que o aprimoramento — não apenas da empresa, mas também de seus colaboradores — deve acontecer sempre de forma gradual e contínua, com a participação de todos os funcionários. Para o método, é importante que todos os dias alguma melhoria seja implementada na empresa.

Os nove mandamentos do Kaizen:

  1. Todo desperdício deve ser eliminado.
  2. Todos os trabalhadores devem se envolver no processo de melhoria.
  3. O aumento da produtividade deve ser baseado em ações que não demandem investimento financeiro alto, eliminando gastos excessivos em tecnologias e consultores.
  4. É viável dentro de qualquer local ou empresa, em qualquer parte do mundo.
  5. As melhorias obtidas devem ser divulgadas, para que exista uma comunicação transparente.
  6. As ações devem ser focadas no local de maior necessidade, onde se cria realmente valor, ou seja, o chão de fábrica.
  7. Seu objetivo único é a melhoria dos processos.
  8. Prioriza a melhoria das pessoas, através de orientação pessoal para a qualidade, trabalho em equipe, cultivo da sabedoria, autodisciplina e prática de sugestões individuais ou de grupo.
  9. Aprende-se na prática.

Como você já sabe, aumentar a produtividade é uma forma de tornar os processos mais rápidos, eficientes e elevar o faturamento da organização. Agora você conhece 5 metodologias que podem ajudar na produtividade e gestão de custos de produção da sua empresa.

Gostou das dicas que passamos no post? Então, assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo que precisa saber sobre indústria, revendas e gestão de negócios!

Nanotecnologia